quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Reunião da Direção Executiva



A Direção Executiva da Central Única dos Trabalhadores (CUT-PB) realizou sua última reunião do ano nesta quarta-feira, dia 19 de dezembro. A reunião teve como pauta o balanço da conjuntura internacional, nacional e estadual e o balanço do planejamento para 2012 e perspectivas para 2013.

A reunião foi realizada no Espaço de Lazer e formação do Sitricom e contou com uma palestra do professor da UFPB Flávio Lucio Vieira, que levantou debates sobre a política e a economia e suas repercussões para o movimento sindical na Paraíba.

Confira abaixo as fotos da reunião: 





segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

CUT Participa de Congresso dos Servidores Municipais da Paraíba




Representantes da CUT Paraíba e da CUT Nacional participaram do I Congresso Ordinário da Federação dos Trabalhadores em Serviços Públicos Municipais do Estado da Paraíba (FESPEM), que foi realizado nos últimos dias 14 e 15, no Hotel do Vale, em Campina Grande. O evento reuniu trabalhadores dos diversos segmentos (saúde, educação, entre outros) de todo o Estado e promoveu a eleição e posse da nova diretoria e conselho fiscal da FESPEM/CUT.

O presidente da CUT Paraíba, Paulo Marcelo, participou da mesa de abertura do evento. Juneia Batista, secretária de Saúde do Trabalhador da CUT Nacional, participou da mesa redonda que debateu as perspectivas da conjuntura nacional e estadual. Maria das Graças Costa, secretária de Relações do Trabalho da CUT Nacional, participou da mesa redonda que tratou sobre o tema “organização e sindicalismo municipal”.

Ao longo do evento foram realizadas oficinas com grupos de trabalhos para discussão de emendas. Houve também o lançamento da Campanha Salarial Unificada 2013, pela direção da Confetam. Já as eleições e a posse da nova diretoria e conselho fiscal da FESPEM/CUT foram realizadas no último dia do Congresso (dia 15), com leitura e aprovação das emendas e de moções.

Confira abaixo algumas fotos do evento: 











CUT deseja um Feliz Natal e um ótimo 2013


segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Em audiência com a CUT, presidente da Câmara afirma que fim do fator previdenciário será votado na próxima quarta (28)



21/11/2012

Central vai ocupar Brasília para acabar com mecanismo que achata aposentadorias

Escrito por: Luiz Carvalho


Da esquerda para a direita: Antônio Lisboa (diretor Executivo da CUT), Rosane Silva (secretária da Mulher Trabalhadora) e Vagner Freitas, ao lado de Marco Maia e Vicentinho durante audiência nesta quarta (21)
Da esquerda para a direita: Antônio Lisboa (diretor Executivo da CUT), Rosane Silva (secretária da Mulher Trabalhadora) e Vagner Freitas, ao lado de Marco Maia e Vicentinho durante audiência nesta quarta (21)

Durante audiência na tarde desta quarta-feira (21) com a CUT, o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), afirmou que o fim do fator previdenciário deve ir à votação na Casa na próxima quarta-feira (28).

Resultado dos trabalhos de um grupo de negociação formado por trabalhadores e empresários, a emenda aglutinativa ao substitutivo do deputado Pepe Vargas (PT-RS) sobre o Projeto de Lei (PL) 3.299/08, mantém o fator 85/95 criado pelo petista, que soma o tempo de contribuição e a idade. Caso o resultado seja 95, para os homens, e 85, para as mulheres, a aposentadoria será integral e não dependerá mais do fator.

A emenda estabelece ainda um redutor de 2% para cada ano que faltar até atingir a formula e um acréscimo também de 2% para cada ano que o trabalhador permanecer na ativa após cumprir os requisitos.

“Hoje (21), fizemos uma passeata pelos corredores do Congresso para pressionar os lideres parlamentares a votarem a favor da emenda e acabar com o fator criado pelo governo neoliberal de Fernando Henrique Cardoso (FHC) para tirar o poder de compra dos trabalhadores aposentados. Quem votar contra, estará traindo a classe trabalhadora”, afirmou o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Freitas lembrou que em 2008 havia um acordo com o governo Lula para acabar com o redutor, mas a discussão não avançou. Durante as eleições presidenciais, a presidenta Dilma Rousseff assumiu o compromisso de dar prosseguimento a esse debate.

%C2%A0%C2%A0Jos%C3%A9 Cruz/ABr%C2%A0%C2%A0" style="margin: 0px; padding: 0px; height: 93px; width: 17px;">
Vagner Freitas (ao centro) ao lado de Vicentinho (à direita) durante manifestação na Câmara pelo fim do fator previdenciário
Vagner Freitas (ao centro) ao lado de Vicentinho (à direita) durante manifestação na Câmara pelo fim do fator previdenciário
A proposta do grupo determina ainda que seja considerada a média das contribuições previdenciárias dos últimos 36 meses. Além disso, as empresas que demitirem um trabalhador 12 antes da aposentadoria serão obrigadas a recolher esse período de contribuição para o empregado.

“Os parlamentares podem nos aguardar aqui na próxima quarta porque vamos ocupar o Congresso e denunciar quem quiser manter essa medida nefasta”, garantiu Vagner Freitas.

Porque fator previdenciário prejudica o trabalhador –Atualmente, para se aposentar, um trabalhador precisa ter 35 anos de contribuição e 63 anos e quatro meses para ter direito a 100% do benefício. Já as mulheres devem ter 33 anos de contribuição e 61 de idade.

Por obra de FHC, que chamava os aposentados de vagabundos, o fator previdenciário passou a valer em 1998 e estabeleceu que o cálculo das aposentadorias só exclui 20% dos piores salários recebidos. Como a rotatividade da mão de obra no Brasil é grande, os trabalhadores perdem o emprego e, muitas vezes, conseguem outro ganhando menos, o que acaba rebaixando seus vencimentos.

Além disso, o tempo de contribuição aumenta a cada ano e o valor dos vencimentos diminuem  em função da média de expectativa de vida divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com a nova regra, bastaria ao trabalhador atingir o fator 85/95 para ter direito à aposentadoria integral.

CUT lançará “A causa Palestina” dia 29 no Fórum Social Mundial em Porto Alegre


24/11/2012

Cartilha combate o “apartheid de Israel” e a desinformação divulgada pelas potências imperialistas e grupos sionistas

Escrito por: Leonardo Severo

Obra retrata a árdua luta do povo palestino pela liberdade
Obra retrata a árdua luta do povo palestino pela liberdade
A Central Única dos Trabalhadores lançará na próxima quinta-feira, dia 29 de novembro, durante o Fórum Social Mundial Palestina Livre, em Porto Alegre, a cartilha “A causa Palestina”. Com 36 páginas, a obra de Hasan Zarif e Rui Kureda combate o “apartheid de Israel” e traz informações que se contrapõem às divulgadas pelos grandes conglomerados de comunicação em favor da opressão, da segregação e da violência.
Os autores ressaltam que “a questão palestina está sempre presente nos noticiários. Mas grande parte da população só tem contato com o tema a partir de uma visão que tende a esconder as verdadeiras causas do conflito”. “O que a TV e outros meios
de comunicação passam é uma visão tendenciosa, favorável a Israel. Os palestinos e árabes são – de maneira mais ou menos aberta – apresentados simplesmente como “terroristas” ou radicais que querem negar a Israel o seu direito de existir como Estado”, alertam Zarif e Kureda, destacando seu empenho em “mostrar as verdadeiras raízes do conflito e os interesses em jogo”.
ROMPER O BLOQUEIO IDEOLÓGICO
Na apresentação da cartilha, o presidente e o secretário de Relações Internacionais da CUT, Vagner Freitas e João Felício explicam que “o objetivo foi colocar à disposição da militância da Central e das lideranças sociais um conjunto de textos, mapas, gravuras e informações para contribuir com o debate e reflexão sobre o conflito Israel-Palestina”. Afinal, lembram, “o forte bloqueio ideológico dos grandes meios de comunicação brasileiros, que atuam a serviço das agências de informação dos Estados Unidos e Europa, impede que muitas vezes tenhamos acesso a informações isentas dos interesses das potências imperialistas e dos grupos sionistas”.
A ideia, segundo os dirigentes cutistas, é que “além de material informativo, este livreto possa ser uma ferramenta que estimule o debate nos sindicatos, escolas, organizações sociais e comunitárias. Nesse sentido, os textos ofertados buscam contribuir para a construção de mais e melhores saberes sobre um tema que está na pauta da CUT e na ordem do dia dos organismos internacionais”.
“O lançamento da publicação busca contribuir com os movimentos de solidariedade ao povo palestino em luta por seu Estado e seu reconhecimento pelas instâncias e fóruns internacionais, inclusive a Organização das Nações Unidas (ONU). Dentre seus 193 países membros, 140 já reconhecem a Palestina como um Estado”, lembram os dirigentes.
Na avaliação de Vagner e Felício, somente a solidariedade internacional poderá reverter isso: “A realização do Fórum Social Mundial Palestina Livre, entre 28 de novembro e 1º de dezembro de 2012 em Porto Alegre, será momento decisivo para a expressão organizada dessa solidariedade”.
“Esperamos que muito em breve este texto esteja desatualizado e o povo palestino, que espera há 65 anos pelo cumprimento das resoluções da ONU, tenha seu Estado reconhecido e a liberdade conquistada. Seguiremos nossa luta em defesa da autodeterminação dos povos, como um princípio da política internacional da CUT e um compromisso com os milhares de homens e mulheres que deram suas vidas na defesa de suas terras e famílias. O envolvimento de cada um e cada uma de nós é fundamental a uma solução justa e definitiva”, concluem.
Dividida em capítulos, a obra traz informações sobre a ONU e a Partilha da Palestina, Perda de território Palestino desde 1946, O nacionalismo árabe, A Guerra dos Seis Dias, A Organização pela Libertação da Palestina (OLP), Da Intifada ao Acordo de Oslo, Nova revolta popular, O Muro do apartheid, A OLP na ONU: o reconhecimento negado, Regime de apartheid e BDS, além de sugestões de filmes e livros.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Fórum dos Servidores Públicos protocola solicitação de audiência com Ricardo Coutinho




Nesta última quarta-feira (dia 21 de novembro), de forma inédita, 11 entidades, entre elas a Central Única dos Trabalhadores na Paraiba (CUT-PB), protocolaram uma solicitação de audiência com o Governador da Paraíba, Ricardo Coutinho.  As entidades formam o Fórum dos Servidores Públicos e objetivo da solicitação da audiência é negociar um reajuste de 29,54% para os servidores do Estado, recuperando as perdas e repassando o crescimento, que é fruto dos esforços do trabalho, medido pelo Produto Interno Bruto (PIB), como é com o salário mínimo.

De acordo com Gilberto Paulino, Secretário de Relação Institucional da CUT-PB, desde 2010 que o Governo do Estado não repassa as perdas totais dos servidores e o percentual solicitado faz jus às perdas dos últimos anos. A database dos servidores acontece em janeiro de 2013, sendo preciso o estabelecimento de entendimentos para que as categorias superem as dificuldades enfrentadas no dia a dia.

Gilberto Paulino destacou ainda que o objetivo que uma das bandeiras de luta da CUT no Estado é justamente o estabelecimento de uma mesa de negociação permanente com o Governo do Estado, para tratar tanto de negociações salariais, quanto de outras reivindicações comuns para os servidores públicos e para a sociedade em geral.

Segundo o diretor de formação sindical do Sindifisco-PB, Almir Nóbrega: “no ano passado, o Governador disse que iria receber as categorias e depois todo mundo foi pego de surpresa com a imposição de um percentual de reajuste insatisfatório, que não recuperou sequer as perdas inflacionárias do ano. Estamos reivindicando audiências com antecedência para provocar a negociação e evitar o que aconteceu no ano passado”, explicou ele.

 
Entidades que protocolaram solicitação de audiência:

APO – Associação dos Peritos Oficiais

ASPOCEP – Associação dos Servidores da Polícia Científica

Caixa Beneficente da Polícia Militar

Conselho Regional de Serviço Social

COPM – Clube dos Oficiais da Polícia Militar

CUT – Central Única dos Trabalhadores

SIMED - Sindicato dos Médicos

Sindifisco-PB – Sindicato do Fisco

Sinfito – Sindicato dos Fisioterapeutas

Sintep – Sindicato dos Trabalhadores em Educação

Sintesp – Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Superior

Seminário "Impacto do Assédio Moral à Saúde do Trabalhador"



O “Seminário Impacto do ASSÉDIO MORAL à Saúde do Trabalhador”, realizado pela Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB) debateu as causas e as consequências alarmantes de um dos temas mais importante do mundo do trabalho. O tema foi apresentado através de uma palestra de um dos maiores especialistas do Brasil na área: Dr. Roberto Heloani, que é advogado, psicólogo e professor da Unicamp e da Fundação Getúlio Vargas.

O Seminário aconteceu no Hotel Caiçara, em João pessoa e teve o apoio do Centro Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) João Pessoa e Cerest Paraíba, além do Ministério Público do Trabalho e do Ministério Público Estadual. Entre os participantes estavam Trabalhadores de diversas áreas, Representantes de Sindicatos, Docentes, Profissionais da área de Saúde, Advogados, entre outros.

                De acordo com o Dr. Robeto Heloani, o assédio moral encontra espaço na atualidade porque as novas formas de comunicação e condução do trabalho fazem com que a barreira entre a vida pública e a mundo do trabalho seja muito tênue. Ou seja, celulares e ainternet fazem com que o trabalho seja levado para casa. “Hoje, está difícil saber onde acaba o trabalha e onde começa o nosso lar”, disse o professor.

            Entre as conseqüências de um mercado de trabalho competitivo, segundo o palestrante podem ser as mais diversas. No caso das mulheres, a preocupação em estabelecer uma carreira traz como conseqüência o adiamento da maternidade, muitas vezes representando risco de saúde para as trabalhadoras. Já para os homens, cria-se o dilema de até quando se deve ter disposição e energia para a produção.

            Dr. Heloani destacou ainda que adoecer do ser humano não é visto pelo sistema que visa o lucro como resultado e que o profissional que adoece se torna um perdedor, que será isolado ou então posto para fora da empresa. 

Confira abaixo as fotos do Seminário:









terça-feira, 20 de novembro de 2012

Assédio Moral será debatido nesta quinta-feira, em Seminário realizado em João Pessoa





Nesta quinta-feira, dia 22 de novembro, no Hotel Caiçara, a partir das 9h00 da manhã, o assédio moral será debatido através do “Seminário Impacto do ASSÉDIO MORAL à Saúde do Trabalhador”, que irá contar com a presença de um dos maiores especialistas do Brasil na área: Dr. Roberto Heloani, que é advogado, psicólogo e professor universitário.

O Seminário está sendo realizado pela Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB) e tem o apoio do Centro Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) João Pessoa e Cerest Paraíba, além do Ministério Público do Trabalho e do Ministério Público Estadual. O evento tem como Público-Alvo: Trabalhadores, Representantes de Sindicatos, Docentes, Profissionais da área de Saúde, Advogados, Promotores e juízes do trabalho.

De acordo com o secretário de Administração da CUT e um dos membros da coordenação do evento, Marcos Henriques Silva, o objetivo do Seminário é trazer o debate sobre o assédio moral à tona. “Vamos discutir o que é o assédio moral, como combatê-lo e como encaminhar as vítimas, já que o tema ainda não é de domínio público. Muitas vezes o trabalhador não sabe o mal que está sofrendo e não sabe como lidar com isso”, destacou ele.

As inscrições gratuitas serão feitas no local e na data do evento.

Confira, abaixo, a programação do evento:

Programação:

9H00: Formação da Mesa de Abertura
9H30: Palestra com Roberto Heloani
10h30: Coffee Break
11h00: Abertura do Debate com representantes dsa CUT-PB, Cerest e Ministério Público
12h30: Encerramento





quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Seminário sobre Assédio Moral em João Pessoa




O assédio moral, um dos temas mais importantes do mundo do trabalho será debatido em um evento em João Pessoa. O “Seminário Impacto do ASSÉDIO MORAL à Saúde do Trabalhador”, que está previsto para ser realizado no dia 22 de novembro, no Hotel Caiçara, a partir das 9h00 da manhã.

O evento está sendo realizado pela Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB) e tem o apoio do Centro Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) João Pessoa e Cerest Paraíba, além do Ministério Público do Trabalho e do Ministério Público Estadual.

O seminário vai contar com a palestra de um dos maiores especialistas da área no Brasil, o advogado, psicólogo e professor Dr. Roberto Heloani. O evento tem como Público-Alvo: Trabalhadores, Representantes de Sindicatos, Docentes, Profissionais da área de Saúde, Advogados, Promotores e juízes do trabalho.

De acordo com o secretário de Administração da CUT e um dos membros da coordenação do evento, Marcos Henriques Silva, o objetivo do Seminário é trazer o debate sobre o assédio moral à tona. “Vamos discutir o que é o assédio moral, como combatê-lo e como encaminhar as vítimas, já que o tema ainda não é de domínio público. Muitas vezes o trabalhador não sabe o mal que está sofrendo e não sabe como lidar com isso”, destacou ele.

Confira, abaixo, a programação do evento:

Programação:

9H00: Formação da Mesa de Abertura
9H30: Palestra com Roberto Heloani
10h30: Coffee Break
11h00: Abertura do Debate com representantes dsa CUT-PB, Cerest e Ministério Público
12h30: Encerramento





quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Em carta, CUT cobra mais transparência aos benefícios que dependem de avaliação médico pericial



30/10/2012

Central quer se reunir com novo presidente do INSS para apontar necessidade de mais agilidade e humanização dos procedimentos

Escrito por: CUT Nacional



O novo presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Lindolfo Neto Sales, assumiu o cargo na manhã desta terça-feira (30) com uma série de desafios a cumprir.

Entre eles, a retomada dos princípios que o originaram o Nexo Técnico Epidemiológico, da reabilitação profissional e o fim da sobreposição de interesses corporativos sobre interesses institucionais.

Em carta enviada no último dia 27, a direção da Central Única dos Trabalhadores aponta esses desafios e solicita uma audiência com Sales. A entidade aponta ainda a importância de fortalecer o Grupo Interministerial para avaliar a Política de Saúde e Segurança no Trabalho, criado pelo Ministério da Previdência Social, como uma forma de ampliar a participação dos movimentos sociais na gestão pública.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Jornal Brasil de Fato repercute atentado contra liderança da Conticom-CUT



30/10/2012

Webergton Sudário (Corumbá) teve o carro alvejado por vários disparos após denunciar irregularidades de grandes empresas e de sindicatos na região de Três Lagoas-MS

Escrito por: Leonardo Severo

Clique aqui para ver o PDF da página do Brasil de Fato

Jornal denuncia tentativa de assassinato de sindicalista cutista
Jornal denuncia tentativa de assassinato de sindicalista cutista
UMA LIDERANÇA do movimento social presencia a repressão de policiais militares a manifestantes em greve. Denuncia as péssimas condições de trabalho dentro das obras da “maior fábrica de celulose do mundo”, a Eldorado Brasil, financiada com R$ 2,7 bilhões do BNDES, repleta de empresas terceirizadas e Pessoas Jurídicas que inviabilizam que o trabalhador corra atrás dos seus direitos. Recebe ameaças de morte. Recados de patrões e pseudo-sindicalistas, a seu soldo, para que tire, imediatamente, o pé do acelerador e mergulhe no pântano dos que traem a classe, e passem a vender ou alugar sua consciência. E deixe de ver a imundície que cobre muitos alojamentos. E deixe de sentir o odor que exala da água trazida no mesmo caminhão-pipa que transporta urina e fezes. E pare de fazer de sua voz uma tribuna contra os sucessivos desmandos. A recusa ao silêncio é costumeiramente respondida à bala.
E assim o script se repetiu na noite da quinta-feira (18) no município de Três Lagoas, no interior do Mato Grosso do Sul, na saída do alojamento  “Fazendinha” da Eldorado Brasil. Um veículo se aproxima e encosta no carro do presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção, Mobiliário e Montagem Industrial do Mato Grosso do Sul (Fetricom), Webergton Sudário (Corumbá). Saem os tiros. São de uma arma calibre 40, privativa das Forças Armadas, capaz de romper qualquer blindagem. Os disparos - três na porta do carro e um na região superior em direção à cabeça – não acertaram o dirigente, que, ileso, conseguiu escapar rumo a um matagal e sobreviver para contar a história, narrada à Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac).
Corumbá tem sido um dirigente incansável no processo de combate à terceirização e à precarização que infestam os canteiros de obra da região, bem como foi peça chave na denúncia sobre corrupção e irregularidades que resultou em várias prisões, e inclusive na intervenção do Ministério Público em sete sindicatos do Estado, incluindo os dois de Três Lagoas ligados à Força Sindical.
O dirigente estava no município juntamente com Valdemir Oliveira (Popó), da executiva da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e da Madeira (Conticom/CUT), para uma reunião com integrantes da chapa de oposição no Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Leve de Três Lagoas.
“Não é segredo para ninguém que vivemos sob ameaça constante tanto por parte das empresas como de falsos sindicalistas. O companheiro Paulo Roberto de Paula, liderança operária de Três Lagoas, chegou até mesmo a enviar recentemente uma carta à presidenta Dilma onde denunciou inúmeros crimes praticados pela empresa Montcalm Montagem Industrial, terceirizada da Eldorado Brasil. E Paulo foi além, lembrando a ameaça que ouviu sussurrada: ‘Batendo de frente com a empresa você está pedindo uma bala na cabeça. Quer morrer?’. Infelizmente este é o clima de terror imprimido, onde a impunidade acaba alimentando a violência”, declarou Corumbá, que também é diretor da Conticom/CUT. A situação é tão caótica, lembra o sindicalista, que para enfraquecer movimentos reivindicatórios as empresas chegam até mesmo a cortar a alimentação e a manter operários sob o regime de cárcere privado. “Precisamos que o Estado tenha uma presença maior, uma fiscalização mais ágil e também mais dura”, defende.
Entre tantos abusos, Corumbá lembra os casos dos “cipeiros” (membros da comissão interna de prevenção de acidentes) Luiz Carlos de Barros Sales e José da Conceição dos Santos, umariamente demitidos da Paranasa Engenharia - outra subcontratada da Eldorado - após serem acusados de “liderar movimento grevista”. Além de serem intimados
pelo juiz, foram ameaçados por forte aparato policial a pagarem multa diária de dois mil reais caso se aproximassem dos canteiros. “A polícia existe para proteger os cidadãos, não para resguardar os mesquinhos interesses das empresas que desrespeitam a lei. Infelizmente, este é o clima da cidade. É contra isso que nos insurgimos”, declarou.
A CUT e a Conticom já acionaram a Secretaria-Geral da Presidência da República, a Polícia Federal, e a Secretaria Estadual de Segurança Pública para garantir a segurança do sindicalista bem como a apuração imediata do crime.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

CUT acelera preparativos para a 3ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência



24/10/2012

Além de debater as políticas públicas para o segmento, Conferência definirá nova composição do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Escrito por: Leonardo Severo e William Pedreira

O Coletivo Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras com Deficiência da CUT realizou na manhã desta terça-feira (23) uma reunião para ultimar os preparativos e a intervenção da militância cutista na 3ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que acontecerá de 3 a 6 de dezembro, em Brasília.

A Conferência que terá quatro eixos temáticos (Educação, esporte, trabalho e reabilitação profissional; Acessibilidade, comunicação, transporte e moradia; Saúde, prevenção, reabilitação, órteses e próteses; Segurança, acesso à justiça, padrão de vida e proteção social adequados) é um momento singular, onde serão discutidos os marcos legais e as políticas públicas voltadas ao segmento.

De acordo com Naira Rodrigues, representante da CUT na comissão organizadora da Conferência, o papel do sindicalismo é trazer a discussão, com as especificidades e o acúmulo do segmento, para dentro das entidades. “E também das entidades para o segmento, pois é uma discussão em duas vias que envolve um tripé: trabalhadores com deficiência, mundo do trabalho e direitos humanos”, acrescentou.

“Teremos uma delegação representativa na Conferência. Assim, conclamamos as nossas confederações, federações e sindicatos para que se envolvam e participem das discussões a partir de todo nosso acúmulo, priorizando as questões relacionadas ao mundo do trabalho”, pontuou Expedito Solaney, secretário de Políticas Sociais da CUT.

Assim, no dia 2 de dezembro, a CUT realizará um encontro preparatório no Escritório de Brasília da Central, para ajustar o eixo de atuação da militância cutista na Conferência.

Naira Rodrigues acredita que “a educação inclusiva, lincada com uma escola para todos, proporcionará uma mudança de cultura de que as pessoas deficientes não podem falar por si mesmas, nem deliberar ou gerenciar suas vidas”. Neste sentido, frisou, o debate sobre a acessibilidade permeia toda a discussão, seja o acesso ao trabalho ou à educação. “Não é, obviamente, uma questão somente física, mas metodológica e de atitude. É preciso garantir mecanismos de garantia de direitos, como a lei de cotas”.

No âmbito da formação profissional, a representante cutista citou a experiência do Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) que tem vagas reservadas ao segmento. “Precisamos fazer com que estas estratégias se efetivem, com maior investimento de recursos públicos, pois a educação tem um papel fundamental para a inclusão. Necessitamos fazer um contraponto à educação segregadora, defendida pela direita”.

Eleição no Conselho Nacional - no último dia da 3ª Conferência ocorrerá a eleição das entidades e membros que vão compor a nova direção do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade).

Segundo Solaney, a atuação do Conselho Nacional no último período deixou a desejar no que tange as demandas específicas da classe trabalhadora. “Queremos nos organizar enquanto central sindical para potencializar nossa participação no Conselho, enfatizando os eixos trabalho, educação e acesso à justiça”, declarou.

Novas ações - outro ponto debatido durante a reunião foi a continuidade da Campanha Nacional em Defesa dos Direitos dos (as) Trabalhadores (as) com Deficiência lançada nacionalmente em 2010 juntamente com a cartilha ‘Direito é bom: Nós gostamos e lutamos por ele!’

O secretário de Políticas Sociais da CUT avalia como positiva as primeiras ações da Campanha, com intervenções nos estados que tiveram grande apoio da militância e da sociedade em geral.

A próxima fase contará com uma atualização da cartilha e novos lançamentos nos Estados, além da produção de mais dois materiais: cartilha ‘multa moral – essa vaga não é sua nem por um segundo’ sobre o desrespeito cotidiano das pessoas às vagas reservadas especificamente às pessoas com deficiência, além de um material explicativo sobre a convenção da ONU (Organização das Nações Unidas) que trata dos direitos das pessoas com deficiência.

Naira lembra que a convenção da ONU é um verdadeiro tratado de direitos humanos, ratificado pelo Brasil como emenda constitucional, que precisa ser aplicado em toda sua plenitude. “A inclusão no trabalho precisa se dar de forma qualificada, amplificando o debate sobre o tema, que não é só de emprego, mas social, no conjunto da produção”, declarou.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Cinco Centrais Sindicais declaram apoio a candidatura de Luciano Cartaxo





 Representantes da Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB), da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), da União Geral dos Trabalhadores (UGT,) da Nova Central Sindical e da Força Sindical se reúnem, no próximo dia 17 (quarta- feira), com o candidato a prefeitura de João Pessoa pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Luciano Cartaxo.

A reunião está prevista para acontecer a partir das 15h00, na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações da Paraíba (Sinttel), no Centro de João Pessoa. Na ocasião, será demonstrando o apoio a Luciano Cartaxo e apresentado um documento com sugestões de pontos de pauta que podem ser transformados em projetos e planos de ações para a cidade de João Pessoa.

De acordo com o secretário de Administração da CUT-PB, Marcos Henriques, a reunião é de suma importância, tendo em vista que estarão presentes representantes de centrais sindicais que representam todos os segmentos de trabalhadores.

 “Estamos convocando militância sindical para renovar as forças e dar apoio incondicional ao candidato do PT, tendo em vista que seu projeto representa um avanço na valorização do trabalhador”, destacou Marcos Henriques.

Entre as propostas estão: a promoção do trabalho decente, a melhoria dos salários, a realização de concursos públicos, a implantação de uma mesa de negociação permanente para os servidores, entre outras.

Confira abaixo a íntegra do documento que será entregue ao candidato Luciano Cartaxo:

O movimento sindical, no seu compromisso de ser um protagonista no enfretamento de batalhas em favor do desenvolvimento dos trabalhadores e trabalhadoras apresenta o presente documento ao CANDIDATO À PREFEITURA DE JOÃO PESSOA, LUCIANO CARTAXO, como uma base de onde podem ser desenvolvidos e aprofundados projetos, construídos a partir das nossas concepções democráticas.

A nossa premissa básica é a busca pelo desenvolvimento sustentável, que esteja de acordo com o direito de viver e exercer o trabalho com qualidade e dignidade. Acreditamos que num novo modelo de desenvolvimento soberano e democrático, que crie a oportunidade de distribuição justa de renda e que seja possível de ser implementado na cidade de João Pessoa.

Com base nesta construção democrática, o movimento sindical tem propostas básicas que fazem parte da nossa concepção de uma cidade melhor para a toda a população:

PROPOSTAS:

1.       Promoção do trabalho decente
2.       Melhoria dos salários dos servidores municipais, nas suas mais diversas categorias
3.       Instalação de uma mesa de negociação permanente para os servidores municipais e representantes dos movimentos sindical e social
4.       Apoio aos micro-empresários e pequenos empreendedores
5.       Implementação de políticas de inserção dos jovens, mulheres, afro-descendentes e portadores de necessidades especiais ao mercado de trabalho
6.       Realização de concursos públicos
7.       Fornecimento de incentivos a atividades relacionadas a economia solidária
8.       Fornecimento de incentivos às pessoas que atuam no mercado de trabalho informal, com perspectiva de melhoria de qualidade de vida e regulação de suas atividades
9.       Promoção de mais moradias dignas com infra-estrutura adequada
10.   Preservação do verde como Patrimônio Mundial
11.   Não à municipalização, privatização e Parceria Público/Privado (PPP) dos serviços de água e esgoto
12.   Promoção do incentivo ao Turismo
13.   Promover a eficiência e a transparência na gestão pública
14.   Fortalecer os mecanismos de proteção ao Consumidor
15.   Efetivar os Direitos Constitucionais que garantem o controle social e a gestão participativa
16.   Garantir a transferência de encargos e recursos da União para o município







 CUT-PB, UGT, Força Sindical, CTB e Nova Central Sindical



João Pessoa, outubro de 2012

CUT Paraíba lança Enquete para escolha do Nome do seu Jornal




A Central Única dos Trabalhadores da Paraíba (CUT-PB) está lançando uma enquete para a escolha do nome do seu Jornal. Inicialmente, o periódico impresso será bimestral e trará informações sobre as ações da CUT Paraíba e de seus mais de 100 sindicatos filiados. Além disso, a entidade também estará lançando o seu portal na internet ainda este ano.

A enquete sobre a escolha do nome do jornal está disponível no BLOG da CUT Paraíba (http://cutparaiba.blogspot.com.br/) e através do facebook da entidade (http://www.facebook.com/cut.paraiba).

De acordo com Arimatéia França, Secretário de Comunicação da CUT Paraíba, a iniciativa em lançar um jornal e o portal reflete a preocupação dos que fazem a entidade em buscar sempre a promoção da democracia. “A CUT ajudou a democratizar o país e continua sempre zelando pela consolidação desta democracia”, destacou o sindicalista.

Segundo o Secretário de Comunicação, a CUT preza pela informação de qualidade, para que os dirigentes sindicais e os próprios trabalhadores possam contribuir e alcançar os seus objetivos e suas bandeiras de lutas. “A CUT-PB está empenhada no Fórum Nacional de Comunicação, bem como formando um coletivo de dirigentes sindicais e assessores de comunicação dos sindicatos e demais entidades para promover diálogos com os movimentos sindicais, como também com todos os movimentos sociais”, disse Arimatéia França. 

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Luciano Cartaxo se encontra com Movimento Sindical




No próximo dia 17 (quarta- feira), o movimento sindical vai promover uma reunião, a partir das 15h00, na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações da Paraíba (Sinttel), no Centro de João Pessoa. Na ocasião, será demonstrando o apoio a Luciano Cartaxo. “Estamos convocando militância sindical para renovar as forças e dar apoio incondicional ao candidato do PT”, destacou Marcos Henriques, secretário de Administração da Central Única dos Trabalhadores na Paraíba.

Na ocasião, os representantes do movimento sindical irão apresentar suas propostas para Cartaxo, entre elas, a promoção do trabalho decente, a melhoria dos salários, a realização de concursos públicos, a implantação de uma mesa de negociação permanente para os servidores, entre outros.

A CUT-PB declarou semana passada o seu apoio a candidatura de Luciano Cartaxo (PT) para a prefeitura de João Pessoa. O apoio foi declarado a partir de uma reunião entre a diretoria executiva da entidade, em sua sede, na Capital Paraibana.

De acordo com o secretario de Administração da CUT, Marcos Henriques Silva, a candidatura de Luciano Cartaxo é a que mais busca a defesa dos trabalhadores, tendo mais identificação com as bandeiras de lutas que a CUT carrega.

“A entidade está dando este apoio, pois entendemos que existem dois projetos. O primeiro projeto representado pela candidatura de Luciano Cartaxo, que sinaliza para a valorização dos trabalhadores e a inclusão social. Tal projeto está tão bem apresentado pelo PT, que tem como exemplo claro a gestão de Lula e Dilma. O segundo projeto, por outro lado, é a gestão do PSDB, que privatiza e não negocia com os trabalhadores, sendo representada por Cícero Lucena. Acreditamos que o projeto do PSDB representa para os trabalhadores um retrocesso para nossa cidade”, destacou o sindicalista.

Marcos Henriques destacou ainda que esta pode ser a 1ª vez em que o Partido dos Trabalhadores pode administrar a Capital Paraibana, representando os anseios dos trabalhadores e da sociedade em geral. “Entendemos que João Pessoa teve em Luciano Agra uma administração que merece ser reconhecida e aperfeiçoada através de um governo sério e comprometido e vemos em Luciano Cartaxo um candidato que tem este perfil ”, disse ele. 

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

O Casuísmo do STF



10/10/2012

Nota oficial da CUT sobre o julgamento da Ação Penal 470 no STF

Escrito por: CUT Nacional


A Executiva Nacional da CUT, reunida em São Paulo com representantes das CUT’s Estaduais das 27 unidades da Federação, repudia o comportamento do Supremo Tribunal Federal (STF), que se colocou a serviço dos conservadores, da imprensa neoliberal e de todos que querem criminalizar os movimentos sociais e seus representantes no parlamento, usando, inclusive, o processo eleitoral a serviço dos reacionários.
A CUT, que sempre defendeu e sempre defenderá o combate à corrupção e aos corruptores, não admite, no entanto, que os juízes julguem por "inferência", pela intenção premeditada. Exigimos que todos os brasileiros sejam julgados e condenados a partir de provas concretas e que a lei tenha o mesmo rigor independentemente de partido, ideias ou concepções políticas. Ou seja, que o comportamento recente do STF não abra caminho para a “flexibilização” da lei brasileira, conforme conveniências políticas.
Para que tenhamos um Brasil mais democrático, mais honesto, mais inclusivo e competitivo internacionalmente, defendemos que seja feita uma ampla reforma do Sistema Judiciário Brasileiro, para que as regras legais sejam adequadas à realidade, diminuindo as subjetividades e aumentando a transparência e controle social na gestão, evitando manipulações e casuísmos na Justiça.
Reiteramos a importância de realizarmos a reforma política, com financiamento público de campanhas. Democracia se conquista praticando e quem deve governar são os eleitos pelo povo.

A CUT é solidária com LULA e com o Partido dos Trabalhadores, responsáveis pelas profundas transformações recentes no País.
Como sempre, a CUT vai defender o legado de transformações sociais que conquistamos nos últimos anos, debatendo este tema em todo o Brasil e nas instâncias internacionais.
São Paulo, 10 de Outubro de 2012.
CUT – Central Única dos Trabalhadores

terça-feira, 9 de outubro de 2012

CUT Paraíba declara apoio a Luciano Cartaxo






A Central Única dos Trabalhadores na Paraíba (CUT-PB) declarou nesta terça-feira (dia 09) o seu apoio a candidatura de Luciano Cartaxo (PT) para a prefeitura de João Pessoa. O apoio foi declarado a partir de uma reunião entre a diretoria executiva da entidade, em sua sede, na Capital Paraibana.

De acordo com o secretario de Administração da CUT, Marcos Henriques Silva, a candidatura de Luciano Cartaxo é a que mais busca a defesa dos trabalhadores, tendo mais identificação com as bandeiras de lutas que a CUT carrega. “A entidade está dando este apoio, pois entendemos que existem dois projetos. O primeiro projeto representado pela candidatura de Luciano Cartaxo, que sinaliza para a valorização dos trabalhadores e a inclusão social. Tal projeto está tão bem apresentado pelo PT, que tem como exemplo claro a gestão de Lula e Dilma. O segundo projeto, por outro lado, é a gestão do PSDB, que privatiza e não negocia com os trabalhadores, sendo representada por Cícero Lucena. Acreditamos que o projeto do PSDB representa para os trabalhadores um retrocesso para nossa cidade”, destacou o sindicalista.

Marcos Henriques destacou ainda que esta pode ser a 1ª vez em que o Partido dos Trabalhadores pode administrar a Capital Paraibana, representando os anseios dos trabalhadores e da sociedade em geral. “Entendemos que João Pessoa teve em Luciano Agra uma administração que merece ser reconhecida e aperfeiçoada através de um governo sério e comprometido e vemos em Luciano Cartaxo um candidato que tem este perfil", disse ele.

Entre as propostas de Luciano Cartaxo estão o incentivo à prática do esporte, a criação de novos corredores para ônibus, crédito para empreendedores e a criação de novos postos de trabalho. Sobre o servidor municipal, o candidato a proposta de valorizar o servidor e garantir avanços nas políticas de salário, carreira e qualificação.

No próximo dia 17 (quarta- feira), o movimento sindical vai promover uma reunião, a partir das 10h00 da manhã, na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações da Paraíba (Sinttel), no Centro de João Pessoa. Na ocasião, será demonstrando o apoio a Luciano Cartaxo. “Estamos convocando militância sindical para renovar as forças e dar apoio incondicional ao candidato do PT”, destacou Marcos Henriques. 

Jornada Mundial pelo Trabalho Decente rechaça crise financeira e exige ações para combater o desemprego juvenil





05/10/2012

Em todo o mundo, centrais sindicais reiteram luta por condições dignas de trabalho

Escrito por: William Pedreira

Trabalho Decente é um conceito amplo, que integra todas as dimensões do trabalho. É definido pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) como um trabalho adequadamente remunerado, exercido em condições de liberdade, equidade e segurança, capaz de garantir uma vida digna aos/as trabalhadores/as.

E é buscando a consolidação destas diretrizes que no próximo domingo (7 de outubro) é celebrado o Dia Mundial do Trabalho Decente. Uma data reflexiva, mas principalmente de protesto, reafirmando a luta por condições dignas de trabalho para todos/as os/as trabalhadores/as, do campo e da cidade, do serviço público, do setor privado e informal.

Hoje, a atual conjuntura com a crise do sistema financeiro mostra um ataque brutal aos direitos da classe trabalhadora e ao trabalho decente. A maioria dos governos de direita aproveita-se para promover políticas de austeridade e arrocho salarial. “Felizmente, no Brasil, estamos numa situação melhor, com categorias conquistando ganhos reais e sem reforma trabalhista com retirada de direitos. Mesmo assim, não há o que comemorarmos neste dia, porque há muito que se fazer no sentido de garantir e ampliar direitos”, afirma João Felício, secretário de Relações Internacionais da CUT.

Desde 2008, as entidades sindicais vêm promovendo a Jornada Mundial pelo Trabalho Decente com atos, passeatas e mobilizações de rua em todo o mundo. As ações são capiteneadas pela CSI (Confederação Sindical Internacional) com apoio da CSA (Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas). O tema escolhido para este ano foi à crise financeria e o desemprego juvenil.

As informações e o material gráfico sobre a Jornada Mundial que prossegue por todo o mês de outubro estão reunidos neste site (http://2012.wddw.org). No Twitter, todas as menções sobre a campanha deverão acompanhar a hashtag #JMTD.

“Somos solidários a todos trabalhadores que lutam por trabalho decente, em especial os gregos, portugueses, espanhóis e irlandeses e suas respectivas centrais sindicais que têm realizado atos de protesto contra as políticas neoliberais e conservadoras impostas pelos seus governos”, destaca João.

“Quando surgiu a crise econômica, os governos utilizaram verbas públicas para socorrer as instituições financeiras falidas. Em contrapartida, promoveram políticas de ajuste fiscal e austeridade, que desmantelaram o estado e que tanto prejudicaram e prejudicam a população. Não satisfeito com tamanha carnificina, atacam também o movimento sindical com iniciativas que visam a retirada do direito legal e democrático de protestar e resistir. Por isso, neste Dia Mundial do Trabalho Decente, é de extrema importância empunharmos a bandeira em defesa da organização sindical”, sublinha o dirigente CUTista.

Exemplo disso é o estado São Paulo, onde a grande imprensa tem assumido candidaturas, geralmente de direita e neoliberal, que criminalizam os movimentos sociais. A revista Veja e os jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e O Globo ostentam através de seus editoriais e articulistas posições contrárias às candidaturas do campo democrático-popular. E quando o Sindicato dos Bancários de SP faz um jornal analisando democraticamente as propostas dos candidatos que lideram a pesquisa à prefeitura de São Paulo, destacando aqueles que possuem comprometimento com a agenda da classe trabalhadora, é invadido na noite desta quinta (4) de forma truculenta pela polícia militar a mando da coligação tucana.

“E o cenário é muito pior, uma vez que os governos utilizam verba pública para favorecer essas candidaturas, como no próprio estado de São Paulo, que vem veiculando sistematicamente matérias pagas na TV sobre as ‘maravilhas’ e ‘eficácia’ do sistema de transporte, quando todos nós sabemos o quanto é precário e decadente. E a Justiça Eleitoral e os meios de comunicação não questionam essa barbaridade. Quando falamos em ineficiência tucana, a primeria imagem que vem na minha cabeça é a educação pública. Há mais de 30 anos o mesmo grupo mandando no Estado e vejamos a atual situação: uma educação de péssima qualidade, professores mal remunerados e escolas abandonadas. Neste sentido, 7 de outubro é dia também de ir às ruas em defesa de salários mais dignos, por uma sociedade mais justa e igualitária, com respeito à organização sindical e a democracia”, enfatiza João.

Juventude quer mais educação e emprego decente
O desemprego em escala mundial afeta em maior proporção a juventude. Hoje, são mais de 75 milhões de jovens desempregados em todo o mundo. Destes,17,7 milhões estão nos países do G20. Na Espanha, por exemplo, 25% da população está desempregada. Para a juventude, o índice é o dobro do restante das faixas etárias.

Diferentemente do que pensam alguns governos e setores da sociedade, para diminuir o desemprego juvenil não basta apenas criar novos postos. Por necessidade, muitos jovens acabam entrando muito cedo no mercado de trabalho, ocupando os empregos mais precários ou rapidamente integrando as estatísticas de desempregados. “O ideal é que se crie mecanismos de aumento da renda e financiamento dos estudos para que o jovem não precise ingressar no mercado de trabalho prematuramente, podendo permanecer por um período maior na escola e na faculdade e tendo no futuro um emprego decente. Esse é um mecanismo indireto de redução do desemprego juvenil. Para aqueles que por sua condição financeira necessitam trabalhar, temos que garantir empregos de qualidade que permitam conciliar trabalho com estudo e no futuro ascender sua condição de renda”, argumenta Alfredo Santos Júnior, secretário da Juventude da CUT.

“Outro grande problema para a juventude e para toda sociedade é o altíssimo índice de rotatividade no Brasil. Via de regra, os problemas são os mesmos que atingem as demais faixas etárias, mas com maior intensidade na juventude. Por isso, criar mecanismos de proteção e garantia de direitos dos jovens é uma preocupação mundial de todas as centrais sindicais e da OIT, que na sua última Conferência Internacional do Trabalho deliberou como tema central a crise global de emprego e seus impactos sobre a juventude”, recorda Alfredo.

A CUT, em seus princípios históricos, sempre lutou pela garantia e ampliação dos direitos dos/as trabalhadores/as, com emprego digno e de qualidade, igualdade de oportunidades e plena liberdade de organização sindical.

A promoção do trabalho decente faz parte da série de compromissos internacionais assumidos pelo Brasil, consolidado em uma Agenda e um Plano Nacional de Trabalho Decente que visam a geração de mais e melhores empregos, igualdade de oportunidades, erradicação do trabalho escravo e infantil e fortalecimento dos atores tripartites e do diálogo social.

“Estamos vivendo um momento importante da nossa história. Apesar da insistência de patrões e governo em institucionalizar a retirada de direitos, é possível celebrar alguns avanços no aspecto das relações do trabalho no Brasil”, declara Graça Costa, secretária de Relações do Trabalho da CUT, lembrando alguns pontos importantes como o número de empregos criados nos últimos dez anos, maior inserção de mulheres no mercado de trabalho, a conquista da licença-maternidade de seis meses em muitas empresas e municípios e, a oportunidade dos trabalhadores e trabalhadoras debaterem questões sobre o mundo do trabalho em espaços de deliberação de políticas públicas. “Queremos sim, mais empregos, mas com qualidade e melhores salários”, complementa.

Um grande marco neste ano foi a realização da I Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente, que reuniu mais de 23 mil pessoas em suas etapas preparatórias, sendo a primeira experiência no mundo a debater questões relacionadas ao mundo trabalho.  Marcada pelo tensionamento e divergências, com boicote do setor empresarial, evidenciou o acirramento da luta de classe e um conceito ainda em disputa, reafirmando a necessidade de mudanças que democratizem as relações de trabalho no País.

“O resultado só confirmou que o empresariado continua muito atrasado, necessitando passar por um processo de reciclagem e reflexão. Enquanto só pensarem em ganhar dinheiro e engordar ainda mais os seus já altos lucros, explorando a classe trabalhadora, o resultado será um país com crescimento econômico, mas que continuará apresentando índices inconsistentes de desenvolvimento social. Em um ambiente onde a ONU (Organização das Nações Unidas) reconheceu a política macroeconômica e social do Brasil como referência para o restante do mundo, não podemos aceitar o retrocesso. Pelo contrário, temos que consolidar o que já conquistamos, ampliando os direitos e melhorando a vida da classe trabalhadora”, reforça Graça.

Para além destas questões, destaca a dirigente, a CUT continuará pressionando o Legislativo e o Executivo para destravar a pauta de reivindicações da classe trabalhadora no Congresso Nacional, promovendo atos, mobilizações e marchas na capital federal e nos diversos estados.

“Vamos cobrar maior agilidade na votação dos projetos sobre os diferentes temas, como a redução da jornada de trabalho sem redução de salários, igualdade de oportunidades e direitos, ratificação da convenção 158 (contra a demissão imotivada e combate à rotatividade), regulamentação da convenção 151 (negociação coletiva no setor público), regulamentação do direito de greve no serviço público, combate à precarização, à informalidade e a todas as estratégias de desconstrução dos direitos historicamente conquistados pela classe trabalhadora”, conclama Graça.